O ENCONTRO DE DONALD TRUMP &
KIM JONG-UN

Cúpula discute a desnuclearização de Pyongyang que acontece neste dia 12

Na manhã do dia 12 de junho de 2018, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reúne-se com o líder norte-coreano Kim Jong-un em Cingapura. O encontro entre os dois tem previsão de começar às 9h (horário local), na cidade-Estado localizada no Sudeste Asiático. A cúpula tem por objetivo obter a desnuclearização do regime de Pyogyang. Trump havia cancelado o encontro no dia 24 de maio, mas reconsiderou a proposta dez dias depois.

Desde o início do desenvolvimento do programa nuclear em Pyongyang, os EUA teme a possível ameaça de bombardeios contra seus aliados na região. Após Kim Jong-un acelerar o programa de testes de mísseis e detonar um dispositivo nuclear 17 vezes mais potente do que a bomba atômica lançada em Hiroshima, a preocupação do governo Trump tornou-se ainda maior com a construção de um míssil balístico intercontinental com capacidade de atingir a América do Norte. Como resposta, Trump rompe com a tradicional cautela dos presidentes anteriores e utiliza as redes sociais para ameaçar Kim.

O que está em jogo?

Os Estados Unidos querer ver “uma desnuclearização completa, verificável e irreversível”, como declarou o secretário de Estado norte-americano , Mike Pompeo, à ABC News. Em outras palavras, por fim ao programa nuclear em Pyongyang. Segundo o secretário de defesa James Mattis, a Coreia do Norte receberá ajuda após isso ser feito. As sanções impostas no país foram ainda mais reforçadas. O quadro piorou após a China aplicar multas internacionais, sufocando a economia de Kim, que dosou seus discursos ameaçadores.

Sendo o primeiro líder da Coreia do Norte a ultrapassar à fronteira e pisar em solo sul-coreano, a cúpula realizada no dia 27 de abril entre ele e o presidente Moon Jae-in, revelou suas primeiras negociações. “O sul e o norte confirmaram seu objetivo comum de alcançar uma península livre de armas nucleares por meio da desnuclearização completa”, é o que está escrito em um comunicado assinado por ambos, como mostra a matéria do El País.

Reproduzir vídeo

A desnuclearização poderá começar com o fechamento da usina nuclear de Yongbyon. O país também pode diminuir e, futuramente, eliminar a produção dos mísseis intercontinentais, Hwasong-14 e Hwasong-15, e os de curto alcance, capazes de atingir países vizinhos como Coreia do Sul e Japão.

De acordo com o Washington Post, Kim Jong-un buscará nas negociações uma redução nas tropas americanas, a redução dos exercícios militares norte-coreanos e sul coreanos, um tratado de paz para terminar a Guerra da Coreia formalmente. Além disso, Kim busca o reconhecimento diplomático dos Estados Unidos, a segurança do líder garantida e poderá pedir pela remoção dos bombardeiros nucleares posicionados na ilha americana de Guam, o que dificilmente será aceito pelo presidente norte-americano.

O encontro em 15 pontos

1
2 de janeiro de 2017

A provocação

Donald Trump afirmou que a Coreia do Norte jamais seria capaz de desenvolver um míssil que conseguisse atingir o território Americano.

2 de janeiro de 2017
2
Julho de 2017

O teste de fogo

Pyongyang testa míssil balístico e garante que o alcance é intercontinental. Kim Jong-un garante que “todo o território americano estava a seu alcance”.

Julho de 2017
3
08 de agosto de 2017

Fogo & Fúria

Donald Trump responde às ameaças de Pyongyang com promessa de “fogo e fúria jamais vistos no mundo” contra Coreia do Norte.

08 de agosto de 2017
4
23 de setembro de 2017

O ataque

Após seis testes nucleares de Kim Jong-Un, Trump bombardeia às imediações da costa norte-coreana.

Pyongyang, reage ameaçando derrubar aviões e acusando Trump de “declarar guerra”.

23 de setembro de 2017
5
13 de outubro de 2017

Trump aberto

O presidente norte-americano garante estar “aberto” a negociações com a Coreia do Norte.

13 de outubro de 2017
6
15 de novembro de 2017

Condenado

Donald Trump é condenado à morte na Coreia do Norte.

15 de novembro de 2017
7
29 de novembro de 2017

Ameaça ganha forma

Míssil lançado pelo Coreia do Norte pode atingir qualquer lugar dos EUA.

29 de novembro de 2017
8
06 de março de 2018

Coreia aberta

Coreia do Norte aceita discutir desnuclearização com EUA.

06 de março de 2018
9
27 de março de 2018

Amigo da China

Kim se encontra com o presidente da China.

27 de março de 2018
10
29 de março de 2018

Encontro com Sul

Kim prepara encontro com Coreia do Sul.

29 de março de 2018
11
27 de abril de 2018

Rompeu fronteiras

Kim Jong-un cruza divisa para cúpula com o presidente da sul-coreano.

Coreias concordam em avançar para a “completa desnuclearização” da península.

27 de abril de 2018
12
04 de maio de 2018

Encontro marcado

Trump confirma encontro com Kim.

04 de maio de 2018
13
10 de maio de 2018

Agendado

Trump anuncia reunião com Kim no dia 12 de junho.

10 de maio de 2018
14
24 de maio de 2018

Encontro cancelado

Trump cancela reunião com Kim Jong-un em Cingapura.

24 de maio de 2018
15
01 de junho de 2018

No dia dos namorados

Trump volta atrás e confirma encontro do dia 12.

Emissário da Coreia do Norte entrega uma carta de Kim Jong-un a Trum para prosseguir com o encontro em Cingapura.

01 de junho de 2018

É bom relembrar ...

Donald Trump, foi eleito o presidente dos Estados Unidos em 8 de novembro de 2016, sendo o 45º presidente a assumir o cargo. Sem nenhuma experiência política anterior, venceu sua opositora, a democrata Hillary Clinton, em uma disputa acirrada e polêmica. Trump teve 47,5% dos votos do eleitorado americano, enquanto Hillary recebeu 47,6%. 

Mas, como o sistema eleitoral americano funciona de forma diferente do modelo brasileiro, Trump foi eleito por garantir a vitória em estados mais populosos, vencendo por conquistar o voto de mais delegados no colégio eleitoral, recebendo 279 votos, contra os 228 de sua oponente. No sistema eleitoral dos Estados Unidos, quem consegue a maioria dos votos em mais estados, conquista todos os delegados no colégio eleitoral.

Trump nasceu em 14 de junho de 1946 no bairro nova-iorquino de Queens, sendo o quarto filho entre cinco irmãos. Hoje com 71 anos, o então presidente se formou em Economia na Escola Wharton da Universidade da Pensilvânia em 1968, passando a ser o principal nome para suceder seu pai, Fred Trump nos negócios da família. Trump tomou a liderança da empresa familiar em 1971, dando início a trajetória de sucesso do magnata, que tem atualmente um patrimônio avaliado em US$ 3,1 bilhões.

Detalhes confirmados sobre a trajetória de Kim Jong-un são raros. Sabe-se que ele nasceu em 8 de Janeiro, mas o ano de seu nascimento ainda é incerto, sendo 1983 o mais apontado. Estima-se, portanto, que ele tenha aproximadamente 35 anos atualmente. Kim é filho de Kim Jong-Il. Seu avô foi Kim Il-sung, o fundador do Partido dos Trabalhadores da Coreia. Após a morte de seu pai, no ano de 2011, Kim Jong-un passou a comandar a Coreia do Norte política e militarmente.

Na adolescência, estudou na Suíça usando um pseudônimo. Retornando à Coreia do Norte, Kim Jong-un se formou na Universidade Militar de Kim Il-sung, a primeira a ser construída no país.

Em dezembro de 2013, Kim Jong-un executou seu tio Jang Sung Taek, acusado de traição ao regime e corrupção. Os serviços secretos sul-coreanos afirmaram em julho de 2015, que desde, o início do seu comando Kim, já teria orientado a execução de 70 funcionários por discordarem de suas ações. Acredita-se que o líder norte-coreano tenha dois filhos, mas a unica informação confirmada é sobre Ju-ae, sua filha caçula, que nasceu no ano passado.

Fim da história ou começo de outra?

Antes mesmo do encontro em Cingapura, o líder norte-coreano afirmou que não aceitará o processo de desnuclearização nomeado de Modelo Líbia. Nele, Kim Jong-un concordaria em retirar todo o seu arsenal enviando para fora do país, Em troca, as sanções impostas à Coreia do Norte seriam mais leves.

Nesse modelo também há garantias de segurança contestáveis, tendo em vista as iniciativas do exército norte-americano em lugares como o Iraque e Afeganistão. A possibilidade de uma invasão militar dos Estados Unidos no país ainda faz com que Kim, veja suas armas nucleares como uma opção.

Trump e Kim Jong-un usarão seus melhores argumentos a fim de convencer um ao outro. Duas figuras conhecidas pelo tom ameaçador em seus discursos, o encontro entre eles pode marcar o fim de uma longa história acompanhada no mundo inteiro. Ou dar inicio a uma nova historia com duração ainda maior.

Texto

 

Fotos

Edição & Arte

Revisão

 

Publicado em 

Matheus Salustiano

Amanda Quaresma

Wikimedia

Augusto Conconi

Victória Fernandes

Augusto Conconi

11 de junho de 2018

Creative Commons License AttributionRepublish
Please complete the required fields.




×

REPUBLISHING TERMS

You may republish this article online or in print under our Creative Commons license. You may not edit or shorten the text, you must attribute the article to Aeon and you must include the author’s name in your republication.

If you have any questions, please email ccby@notajornal.com.br

License

Creative Commons License AttributionCreative Commons Attribution
O encontro de Donald Trump & Kim Jong-Un